Face a face

A reprodução proibida, René Magritte

Gustavo Henrique Araújo, colaboração para Fina

Marcelo acordou disposto a ver Aquele-que-tudo-sabe, porque era domingo. E algo dentro dele gemia pela falta de um sentido que o pudesse levá-lo até o fim do dia. Da vida. Ele precisava ver Deus. Havia um sino na catedral da igreja. Um sino. Alto, vasto, imerso. Um objeto grande e reluzente, dourado como as águas de outro mundo. Marcelo sentou-se em um banco à margem de um pequeno jardim selvagem. Antes que ele pudesse pensar, sua alma gritou uma voz de desespero e de milagre sobre-humano.

Havia um sino despertando. Vitorioso em si mesmo. Sobre ele. O pêndulo central acordara, rompendo o sentido do seu íntimo em entraves, badaladas: um som consistente, brutalmente melodioso, divinamente ruidoso. Um som de Deus. Marcelo ouviu atento o primeiro badalar, o primeiro chamamento para o inconcebível do próprio corpo. O que ressoa em mim? Pensou. Porque o sino está longe, mágico e magnífico, alcançando o céu de marfim. Eu estou aqui, onde ninguém me vê, e aconteço como um sino enferrujado; minha ferrugem é a camada do meu primeiro eu, que deixei morrer. A minha superfície é minguante, áspera, como o som que se perdeu dentro do meu corpo.

Eu transito, sonâmbulo, como o sino ausente de sentido, porque não estou me cumprindo em mim. Como um toque que vem da manifestação de ser, como as mãos que escorregam pela minha pele e de repente, nasço. Vejo-me diante do mais completo eu. O milagre. Bomm. A primeira morte. Marcelo diante de mim, diante do mundo, estremeceu. Porque era ele. E o som era uma mão, tocando o seu oculto, o seu lugar em que algo se mistura com a confluência de sentir o peso e a glória de suportar a si mesmo.

O som o sentiu. E Marcelo era. Bomm. Algo lhe chama. Algo sou eu. O espelho da minha face perdida entre o ontem e o hoje. Porque antigamente Marcelo me era. Agora sou que o sou. E o sino é-lhe. Os raios do sol reluziam sobre a cúpula de ouro, rastejando por todos os lados como se uma luz, uma luz melancólica e nova, se estendesse pelo seu corpo e ele se tornasse imenso. Qual era o seu destino? Era este: sentar no banco de madeira úmido pela recém-tempestade, ouvir o som voraz, catedrático, gritando para que ele, exangue como o céu, encontrasse na secura do próprio corpo a ânsia para viver; permitir-se, ainda que lhe parecesse a conjuntura de uma violação, ser transgredido pelo. Bomm. E dessa vez, Marcelo se tomou de tal forma que não entendo. Porque os seus dedos dos pés sentiram o toque, o toque do mundo.

Ele, sem arrogância, sem displicência, sem altivez, se imaginou como o pai dos homens. O eterno. Eu sou o que Deus quer de mim. E seu sangue era o sangue suspenso. Branco, luzente, celeste. Marcelo tornara-se uma fresta para o mistério. E algo nele estava germinando, indomável como o jardim ao seu redor, que não se pressente. Um campo nunca sentido; o silêncio da terra acontecendo antes que o homem reconheça qualquer sinal de vida. Marcelo chegou aonde não se chega. E reivindicou. A si? Ao outro? O que era o meu Marcelo? Carne, desejo, ferrolho. Um Homem.

Marcelo era o meu eu-humano. E eu sou a condição humana que se perde, se transmuta, se persiste na própria raiz do… ser. Ele haveria de querer a mim, a si, líquido, errante, deleitoso. Bomm. E repito o bomm. O gozo. O prazer. O obsceno que é ser homem. Homem. Simplesmente. Marcelo enquanto se preparava para o próximo som, o infinito contido no bomm do mundo, deslizou para dentro de si, como se ao tocar a margem, se tornasse nauta pelas águas da necessidade humana. O que ele é? Múltiplo? Comovente? Donzela? Marcelo não se podia mais definir antes que viesse o bomm da vida. em Antes que ele fosse alguma coisa era preciso não ser.

Minuciosa e lentamente, voltou a chover. Águas sobre a pedra. Um corpo de vagas e passados. E Bomm. Um cão então se fez em meus olhos. Aquele que lhe rondava em busca de algo incompreensível. Porque eu não me posso dar a um cão, eu não sei o que ele me deseja… Eu não sei o que sou para um cachorro sem dono, sem lar, sem humanidade. Eu sou tudo o que ele precisa? Eis a presença foi tenebrosa, pois como se valente e triste ousasse, o cão levantou a escura perna traseira e molhou a calça de Marcelo.

E só ele pode dizer: “nasceu-me o sentimento”. Porque o cão reconheceu em mim a morte, então estava em nós o laço íntimo de uma verdade lascívia, de um instante extasiado: nós éramos cão. Eu era. Marcelo, o que dizes agora. O Bomm. Estava nele o amarelo ardente, a inconclusão. O mais oculto de si veio do outro. E Marcelo olhou o cão, com medo do que ele era. Eu temo a minha condição humana: a surda ladradura de lábios. E como se o cão de repente entendesse tudo, e fosse Homem, gozo, tormento, tudo o que não sou; finalmente o animal pôs suas quatro patas no chão, altivo como um corcel, magro como a vida, negro como a noite, e sem corpo, sem rastro, latiu para Marcelo.

O Bomm de si mesmo. E ele despencou. Incomensurável, rubro, sem osso. Apenas um veio de tempo, uma pergunta pênsil, em uma flamejante campo de lucidez pura. Inteira. E Marcelo então disse ao cão, sem voz, sem som, meramente a bruta carne exposta; o suor, o visgo da realidade enfim sentida como uma ferida incendiada: “eu te amo”. E isso era Marcelo, virgem. Um amor perseguidor, longínquo, um passo aéreo, sobre o meu. Como se ele me amasses e te amasses. Pousando o próprio pé no rasto do meu fogo. Ele pôs as mãos no chão, e diante do homem-cão ele se prostrou de quatro, em meio à tempestade, (em meio) ao Bomm. E ali estava.

O grito. Porque Marcelo enfim livre começou a ganir para Deus. Como cão. Como nada. E de repente se disse: “o meu latido é a própria vida”. O cão então se afastou. Como se não mais precisasse daquele amor de decanto e desespero. Marcelo piscou sob as gotas de chuva em seus cílios; piscou e se viu: Homem. Disposto a ser cão. Depois se levantou. Era humano? Não. Tinha mãos para tocar, pés para pisar, tinha sexo para amar. Mas não era senão ele mesmo. E o cão que o abandonou era o Homem. Marcelo pensou que tinha sido deixado porque, enfim, ele se tornara a terrível sensação do milagre. O sino tocou. Bomm. E essa badalada o soergueu de ímpeto. Marcelo esperou que, pela última vez, o sino soasse. O sopro sacrossanto. E partiu para longe, tão longe que ele mesmo não se alcançava, com medo do cão, de si, de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s