Borrão

Querer a vida como um grande rascunho acontece desde a Idade Média, quando os papiros eram apagados para reaproveitamento do material

Sibélia Zanon*

Desde que existimos, queremos apagar coisas. Apagar a luz branca, apagar o zunido do mosquito, apagar o desencontro, apagar a voz da mente, apagar um girassol que não murcha.

Desço lá das alturas do antigo prédio do Banespa. Pelos andares, visito a exposição que reflete a arte nos tempos da Independência do Brasil. A escravidão grita em diversos tons nas vozes das quase 5 milhões de pessoas trazidas da África e dos mais de 3 milhões de indígenas escravizados pelos colonizadores. Fico surda.

Chego no térreo, onde a vida parece um grande rascunho, mas não dá para apagar a vista. Olho o mundo de baixo, da mesma altura das pessoas que moram nas barracas instaladas na Praça da Sé e comem as quentinhas nos degraus frios da catedral.

Os papiros e os órgãos emudecem pelos anos. O da Catedral da Sé completou 20 anos sem uso. Seus 10 mil tubos calaram de poeira e cimento. Foto: Reprodução/Monique Renne

Querer a vida como um grande rascunho acontece desde a Idade Média, quando os papiros eram apagados para reaproveitamento do material. O palimpsesto é testemunho de que o pergaminho é caro e as memórias também.

Os papiros e os órgãos emudecem pelos anos. O da Catedral da Sé completou 20 anos sem uso. Seus 10 mil tubos calaram de poeira e cimento. Já o órgão da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, em Embu das Artes, construída por indígenas sob a orientação de jesuítas no século XVI, é provavelmente o mais antigo do estado de São Paulo e o segundo mais antigo do Brasil. Talvez por isso tenha perdido a voz faz tempo. Às vezes, é melhor calar.

Tenho infinitos arquivos no computador com um nome qualquer e a continuação “rasc”. Escritos autoproclamados provisórios, assim como a memória. A borracha mora na margem dos meus feitos.

Memórias de família também sofrem apagão. Empresto dos meus pais qualquer recordação relacionada aos meus avôs: o quanto eles eram musicais ou trabalhadores ou generosos ou teimosos. Nasci atrasada para elaborar minhas próprias lembranças.

Escritos autoproclamados provisórios, assim como a memória. A borracha mora na margem dos meus feitos. Foto: Reprodução.

Dentro do universo da borracha, muitas espécies já foram extintas. Destruir parece tão fácil: um “descobrimento”, uma escravidão, uma Revolução Verde que apaga a semente… Como será reconstruir?

Acordo no dia de amanhã como se o pergaminho estivesse raspado de letras. Amanhã posso deletar um arquivo provisório. Amanhã espero o órgão tocar.

Mas… a pele não é um palimpsesto e nenhuma chibatada é muda.

A avidez de qualquer conquistador é não saber ver a mesa cheia e querer sempre mais. Amanhã, quero ver a mesa cheia

Sibélia Zanon* é jornalista e escritora, autora de Espiando pela fresta e Casca Vazia.

.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s